No QZP 1, há 11 professores em Mobilidade por Doença em cada Agrupamento

Os 218 agrupamentos pertencentes ao QZP 1 vão receber este ano 2410 professores em Mobilidade por Doença. Isto dá uma média superior a 11 professores por agrupamento.

Sei que os agrupamentos TEIP ou aqueles com maiores índices de indisciplina, receberão menos candidatos, no entanto sei também de agrupamentos em Braga e no Porto com mais de 60 professores mobilizados nestas condições.

Mais uma vez o QZP 1 é o que tem maior número de professores, registando um aumento de quase 400 professores relativamente ao ano passado.

Sobre este assunto já escrevi outro artigo, por isso fiquem apenas com os números:

2018
MPD_2018

2019
MPD_2019

 

 

“A lei não obriga ao preenchimento de papeis” – Sec. Estado João Costa

Foi no âmbito das jornadas pedagógicas que decorreram nos dias 3 e 4 no Agrupamento de Escolas de Benfica que o secretário de estado proferiu a seguinte afirmação: “O 54 [Diploma que regulamenta a Inclusão] não exige em lado nenhum a obrigatoriedade de papeis e grelhas… as escolas deviam acabar com este exagero burocrático, que desvia o foco do trabalho que tem de ser desenvolvido”.

Antes de mais é um facto que muita da burocracia existente nas escolas tem como promotores os próprios diretores e coordenadores, no entanto é igualmente verdade que quando há ações inspetivas e instruções da tutela, aquilo que normalmente é exigido é a papelada.

Mas depois destas palavras do secretário de estado estou tentado a selecionar criteriosamente a burocracia que devo preencher…

Pré-reforma (resposta da DGAE)

A resposta da DGAE… é uma não-resposta! Estão a fazer de conta que vão apreciar, para depois acontecer uma de 2 coisas:

  • Fazerem propostas ridículas a professores desesperados para saltar fora deste caos em que as escolas estão mergulhadas;
  • Indeferirem os pedidos em prol da necessidade que há de professores.

De qualquer modo, fica a resposta dada às direções, de forma a ir colocando alguma água na fervura.

Exmo.(a) Senhor(a) Diretor(a) / Presidente da CAP,

Considerando que, na sequência da publicação do Decreto Regulamentar n.º 2/2019, de 5 de fevereiro, relativo à concessão do acordo de pré-reforma, se continua a registar, diariamente, um elevado número de pedidos entrados nesta Direção-Geral, cumpre informar V. Ex.ª e para conhecimento de todos os possíveis interessados, que a DGAE continua a  desenvolver os necessários procedimentos para que os pedidos possam vir a ser apreciados.

Com os melhores cumprimentos,

A Diretora-Geral da Administração Escolar,

Susana Castanheira Lopes

Calendário Escolar 2019/2020 – PDF

Foi hoje publicado o Calendário Escolar 2018/2019. O blogue disponibiliza o calendário em PDF. (Clicar na imagem abaixo)

Brevemente será também disponibilizado em excel um calendário escolar automático onde poderão acrescentar os feriados municipais, para todos aqueles que cliquem em “GOSTO” na página de facebook do Blogue.

Calendário Escolar_escolarizar

“Estabilidade não é ficar na escola ao lado da sua casa” – Alexandra Leitão

“As pessoas não têm que almejar ficar ao lado de casa, porque isso é impossível. As pessoas devem almejar ficar colocadas num sítio e saber que se mantêm aí.”

Esta frase, assim como a do título foram retiradas do Podcast “Perguntar não ofende”, de Daniel Oliveira.

Mais uma vez, e como eu venho alertando, percebe-se que Alexandra Leitão pretende diminuir as Mobilidades dos professores dos quadros. Essa intenção é claríssima na cabeça da atual/futura líder do Ministério da Educação.

As leis mudam (e na educação temos visto que mudam drasticamente, sem aviso prévio), mas manter o tipo de mobilidades atual, com professores vinculados a determinadas zonas onde são necessários, para serem depois mobilizados para zonas onde existem em excesso não tem como se manter.

No meio desta trapalhada, descansa-me perceber (pelas palavras da Secretária de Estado) que o tipo de autonomia proposta terá a graduação como critério.

Pode ouvir o excerto abaixo:

Quantos candidatos são opositores a outros grupos?

A tabela seguinte apresenta, relativamente ao Concurso Externo e por grupo de recrutamento, os candidatos que são opositores a outros grupos.

Com uma análise rápida consegue-se perceber que os grupos 110 e 910 são aqueles que têm maior número de candidatos que são opositores a vários grupos.

Este ano, o Concurso de Contratação Inicial contará com 33273 candidatos únicos, uma vez que há vários que concorrem a 2, 3 ou 4 grupos de recrutamento.

Opositores.jpg

28 anos de idade e 3 de serviço… e vinculou?

As seguintes análises dizem respeito aos 542 professores que vincularam neste concurso externo.

Podem a idade e anos de serviço em 3 parâmetros por grupo de recrutamento: mínimo, máximo e média. Ficam os dados:

Idade

tempo.serviço

A prova de que a Norma-Travão é uma forma errada de cumprir a diretiva europeia é perceber que vinculam pessoas com 3 anos de tempo de serviço (ainda não completos, porque falta o atual) e 28 anos de idade! E nada disto seria mau se não houvesse professores com 46 anos de idade e 23 de serviço que sempre trabalharam em escolas públicas que ainda não efetivaram!